Blog

Como requalificar habilidades para o trabalho no futuro pós pandemia

Rupturas e crises de mercado nos forçam constantemente a reavaliar nossos programas de aprendizado e as habilidades que eles ensinam. O COVID-19 certamente mudou a forma como nossa força de trabalho terá no futuro. Você está pronto?

Os programas de aprendizagem bem-sucedidos são marcados pela adaptabilidade de seus alunos. Para continuar a avançar em direção às metas organizacionais em face da mudança em larga escala, os alunos devem ser capazes de se adaptar às realidades em constante mudança. O surto de COVID-19 apenas destacou ainda mais esse ponto. Enquanto nos preparamos para seguir em frente na esteira do COVID-19, a requalificação será cada vez mais necessária.

O que é requalificação?

A requalificação é o desenvolvimento de novas habilidades. Frequentemente, essas novas habilidades permitem que os funcionários assumam uma nova função dentro da organização. Mas a requalificação é difícil. Requer flexibilidade por parte dos instrutores e alunos e um planejamento cuidadoso dos líderes de aprendizagem.

O COVID-19 trouxe a requalificação para a frente de nossas prioridades, mas, para ser claro, a requalificação já era importante antes de 2020. Novas tecnologias e processos têm forçado constantemente os funcionários a desenvolver novas habilidades para lidar com a mudança de funções.

A Inteligência Artificial e novas técnicas de automação, por exemplo, têm sido disruptivas nos últimos tempos. O relatório Future of Jobs 2018 do Fórum Econômico Mundial previu que 75 milhões de empregos seriam substituídos por tecnologias emergentes até 2022. Esse mesmo relatório também previa que 133 milhões de novas funções seriam criadas por essas mesmas tecnologias.

Diante dessas mudanças e dos novos desafios levantados pelo COVID-19 (coisas como home office, novos padrões de compra, etc.), os líderes de aprendizagem foram desafiados a determinar como se adaptar a um mundo novo e em mudança. Aqui estão três maneiras de trabalhar para melhorar a qualificação de sua força de trabalho.

Avalie e crie estratégias

A criação de qualquer estratégia de aprendizagem robusta começa com uma avaliação honesta do estado atual das coisas.

– Qual é a sua estratégia de aprendizado atual e quais são as metas que você definiu para a sua organização?
– Você tem alcançado esses objetivos?
– Você tem alguma lacuna de habilidades existente?

Depois de avaliar com precisão seu estado atual de aprendizagem, você precisa determinar se essas metas ainda são relevantes.

– São necessários comportamentos ou habilidades diferentes para que seu pessoal desempenhe seu trabalho com eficácia?
– Quais habilidades impulsionarão seus negócios?
– A sua equipe de vendas passou de vendas presenciais para vendas virtuais?
– O pessoal da sua loja teve que mudar das compras na loja para a entrega ao domicílio?

Esses tipos de turnos exigem novos conjuntos de habilidades, que exigem uma mudança na estratégia de aprendizagem.

Comece e seja ágil

Depois de estabelecer uma nova estratégia de aprendizagem, é hora de começar. Seja ousado e aja rapidamente. A requalificação é um processo. Implemente, teste e depois refine com base no que você aprendeu. Ao fazer isso, você identificará rapidamente as habilidades verdadeiramente importantes necessárias para o crescimento do seu negócio.

No entanto, o fim de uma crise não deve ocasionar o fim de seu programa de requalificação. O trabalho que você faz agora deve informar sua organização à medida que ela se depara com novos desafios no futuro. Seu trabalho de requalificação não apenas fechará as lacunas críticas atuais, mas também o preparará melhor para dominar futuras interrupções.

Proteja os orçamentos de aprendizagem

Frequentemente, durante as crises, os orçamentos de aprendizagem são uma das primeiras coisas a serem cortadas. Por exemplo, após a recessão econômica de 2008, muitos de nós tiveram orçamentos reduzidos ou departamentos de aprendizagem inteiros fechados. No entanto, durante os anos subsequentes, o investimento em aprendizagem aumentou.

O que aprendemos é que as organizações que cortam seus orçamentos em resposta a crises apenas adiaram seu eventual investimento em aprendizagem – não há economia líquida, apenas terreno perdido. No que diz respeito à eficiência, eficácia e resiliência, é muito melhor as organizações continuarem com seus programas de aprendizagem em face de tais crises. Este não é o momento de cortar orçamentos de aprendizagem, mas sim de investir no seu pessoal.

Seguindo em Frente

Novas rupturas e crises de mercado nos forçam constantemente a reavaliar nossos programas de aprendizado e as habilidades que eles ensinam. COVID-19 certamente mudou a forma como nossa força de trabalho será no futuro. Para aqueles que buscam impulsionar sua organização neste momento e no futuro, a requalificação é crítica. Devemos definir estratégias sólidas, testar constantemente nossos programas de aprendizagem e manter nosso investimento nesses programas se quisermos ter sucesso. Estamos vivendo em um mundo pós-pandêmico, mas interrupções e crises estão prestes a acontecer. Você está pronto?

Fonte: https://elearningindustry.com/

Share:
Translate » Traduzir