Blog

As mídias sociais e a necessidade de inovação disruptiva na educação

A tecnologia tem feito mudanças sutis na educação por décadas; no entanto, a pandemia global criou uma necessidade extrema de inovação disruptiva na educação. Inovação disruptiva, um termo comercial criado por Clayton Christensen, refere-se a um processo pelo qual um produto ou serviço se enraíza inicialmente em aplicações simples na base de um mercado e então aumenta implacavelmente, eventualmente substituindo concorrentes estabelecidos.

Na educação, como em outras áreas, os avanços tecnológicos representam oportunidades contínuas para inovação disruptiva, incluindo sistemas de gerenciamento de aprendizagem, como Schoology, Google Classroom, Canvas, Blackboard, etc. Não muito tempo atrás, esses sistemas de gerenciamento de aprendizagem eram simplesmente uma ideia imaginativa. Hoje, os Sistemas de Gestão de Aprendizagem se tornaram o mainstream na educação e eliminaram quase completamente a necessidade de lápis e papel, ícones que já foram sinônimos na educação.

Usando aplicativos de mídias sociais para interromper o status quo

Aplicativos de mídia social, como TikTok, Instagram, Twitter e Facebook, podem ser usados ​​para interromper o status quo da instrução e despertar momentos de motivação por meio de ideias brilhantes de criatividade. Quando vista por uma nova perspectiva, a mídia social oferece aos professores novas oportunidades para aumentar o envolvimento do aluno em um Ambiente Virtual de Aprendizagem. Um recente TikTok de uma professora de matemática do ensino médio do Texas demonstrando o conceito de combinação de números inteiros chamou atenção. No videoclipe de 17 segundos, a professora elaborou o exemplo de matemática sem usar palavras. Em vez disso, havia breves etapas de ações exibidas que correspondiam a cada etapa. O videoclipe foi criado usando uma popular trilha musical de fundo e tem mais de 1,5 milhão de visualizações.

Também há casos onde o Facebook e o Twitter foram incorporados ao kit de ferramentas de tecnologia educacional para os alunos coletarem dados, concluírem uma caça ao tesouro e até mesmo usarem tweets para dissecar e discutir gramática e redação. Esses são apenas alguns exemplos de técnicas de ensino que representam inovação educacional disruptiva por meio do uso de mídia social como ferramenta educacional de apoio. É surpreendente que bits de som instrucionais tenham o potencial de alcançar e envolver milhões de alunos virtuais por meio da mídia social.

Mas de forma alguma, TikToks e Twitter devem substituir a instrução estruturada e estratégica. Em vez disso, quando usadas de forma criativa e proposital, as plataformas de mídia social podem certamente aprimorar o ensino e aumentar o envolvimento do aluno. A criatividade é um dos aspectos mais incríveis do ensino e da aprendizagem. Mais importante ainda, a criatividade costuma ser contagiosa e pode ser ativada por meio de relacionamentos dinâmicos entre: professor para professor, professor para aluno, aluno para professor e aluno para aluno. A integração de plataformas de mídia social em um Ambiente Virtual de Aprendizagem pode potencialmente fornecer a professores e alunos um senso renovado de imaginação e criatividade para impulsionar a motivação e, ao mesmo tempo, promover o pensamento crítico e as habilidades de resolução de problemas.

Uso eficaz das mídias sociais

À medida que a educação mergulha no aprendizado virtual, usar as tendências da mídia social é definitivamente um pensamento digno de consideração. Ainda mais dada a pesquisa sobre a diminuição da capacidade de atenção do aluno durante o aprendizado remoto. A tecnologia foi estabelecida como uma base forte para ensino e aprendizagem; no entanto, há uma linha tênue entre encontrar o equilíbrio certo no uso de tecnologia, incluindo mídia social, para promover altos níveis de envolvimento do aluno e continuar a fornecer ensino de alta qualidade.

Longe vão os dias em que os professores eram os únicos mensageiros de informações. Hoje, a internet e as mídias sociais fornecem a porta de entrada para as informações. O fácil acesso a informações ilimitadas fez com que o papel do ensino mudasse de apenas liderado pelo professor para cada vez mais liderado pelos alunos. É importante que os professores reconheçam que a mudança para um facilitador da aprendizagem permite que a tecnologia seja uma aliada educacional quando integrada de maneira consciente. Facilitar a instrução, em vez de ser a fonte primária de informações, promove a propriedade acadêmica do aluno e o aprendizado personalizado.

A essência da educação consiste em ensinar os outros a pensar por si próprios. No entanto, o desafio é encontrar maneiras relevantes de captar e manter a atenção dos alunos que prosperam em uma sociedade multissensorial que incentiva a gratificação instantânea à primeira vista. Essa lacuna só vai continuar a aumentar à medida que o ensino fundamental e médio se tornam cada vez mais virtuais. Uma mentalidade de inovação disruptiva na educação é necessária para competir dentro da marca crescente da aprendizagem virtual. Talvez o uso da mídia social para alcançar e micro-educar os alunos possa fornecer aos professores um novo conjunto de habilidades que pode ser potencialmente necessário para o aprendizado virtual.

Fonte: https://elearningindustry.com/

Share:
Translate » Traduzir