Como personalizar a aprendizagem em seu local de trabalho

Experiências de aprendizagem personalizadas estão em alta e isso é bom. Afinal, todos nós temos preferências diferentes quando se trata de aprender. Embora as equipes de Treinamento e Desenvolvimento (T&D) estejam dando os passos certos com a personalização, muitas vezes isso não é suficiente. Para melhores resultados, a experiência de aprendizagem deve ter um ajuste personalizado para o aluno. Este é um pedido fácil de preencher para um aluno individual, mas como fazer a personalização funcionar no local de trabalho com vários departamentos, equipes e diversos pensadores? Você pode pensar que não é possível, mas a personalização é alcançável com três componentes: avaliações de preferência do aluno, aprendizagem baseada em funções e o casamento da preferência do aluno com a aprendizagem baseada em funções.

No trabalho, o aluno de hoje está interessado em saber “o que eu ganho com isso”. Embora a maioria dos departamentos de T&D tenha o cuidado de incluir uma variedade de preferências do aluno, como modalidades visuais, de áudio e até cinestésicas em seus treinamentos, essa é uma abordagem bastante cega. O treinamento deve atender às necessidades de seus alunos com experiências de aprendizagem personalizadas. À medida que as empresas desenvolvem sua cultura de trabalho, muitos colaboradores se envolvem em algum tipo de avaliação de personalidade e/ou adequação ao trabalho, como o Eneagrama ou as Avaliações de Harrison. Este é um ótimo espaço para T&D aproveitar a avaliação sobre as preferencias do aluno, apropriada para ampliar as nuances de seus alunos.

Envie uma avaliação sobre as preferências do aluno como um questionário relativamente breve destinado a mostrar os resultados mais comuns, incluindo sequencial, visual, cinestésico e auditivo. Uma avaliação pode ser enviada no momento da admissão para uma solicitação de aprendizado, como pré-trabalho para um treinamento ou como um esforço de toda a empresa. Claro, os resultados precisarão ser analisados ​​para pontos em comum. Uma avaliação dos resultados pode ser visualizada com base nos tipos de alunos em equipes, departamentos e em funções específicas. Pode ser interessante descobrir que uma grande porcentagem de líderes prefere o visual, ou a maioria dos alunos iniciantes prefere modalidades cinestésicas.

A comparação das preferências do aluno com as funções dentro de uma empresa pode dar à equipe de T&D uma vantagem no desenvolvimento do melhor treinamento personalizado para alunos específicos. Com isso, as preferências mais populares podem ser abordadas no conteúdo e na entrega do treinamento. Vejamos um cenário possível: digamos que você esteja treinando líderes em técnicas de comunicação bem-sucedidas . Neste exemplo, os dados mostram que 67% do grupo de aprendizes preferem modalidades cinestésicas. No treinamento, seria ideal gastar menos tempo dando palestras sobre comunicação e mais tempo com uma atividade baseada na comunicação, como a dramatização. Certamente, não exclua os outros 33%, que podem ser uma mistura de preferências de aprendizado, mas seu tempo e foco devem estar na preferência do aluno em destaque.

Se houver uma preferência excepcional nos dados, a equipe de T&D pode fazer ajustes concisos para personalizar a experiência de aprendizado. Mas quando os dados mostram mais equilíbrio entre as preferências, realizar a personalização pode parecer complicado. Basta agrupar seus alunos em um treinamento com base em suas preferências. Em seguida, ajuste as atividades para cada grupo de acordo com sua forma preferida de aprendizagem. Vejamos um exemplo: digamos que você tenha um treinamento conduzido por instrutor (ILT) com 30 colaboradores individuais, e você tem quatro das preferências de aprendizado mais comuns presentes. Mesmo que os números não sejam iguais a um grupo par, não há problema em ter sete em um grupo e três em outro grupo porque as atividades podem ser muito diferentes, embora o tema seja o mesmo. Agora, vamos lançar um tópico baseado em função neste cenário. Digamos que você esteja treinando em atendimento ao cliente. Pense em como projetar uma aula baseada em atendimento ao cliente para alunos visuais, auditivos, sequenciais e cinestésicos. Ao dividir sua abordagem de design por preferência e função ou habilidade, o currículo praticamente se escreve sozinho.

O que há para o aluno? Por que casar a preferência do aluno com a aprendizagem baseada em funções é um bom retorno sobre o investimento (ROI) para o treinamento? Porque a aprendizagem personalizada e baseada em funções pode ajudar os alunos a progredir em suas carreiras. Os colaboradores podem criar mapas de carreira com base na função ou habilidade aprendida e se sentirem mais confiantes em assumir a nova função porque o aprendizado foi absorvido da maneira preferida. O uso dessa abordagem também é um benefício para os departamentos de L&D porque fornece dados sobre como os alunos aprendem melhor, o que traz insights sobre a construção do conteúdo para cada jornada de aprendizado de uma maneira que alcance e impacte como as informações são melhor absorvidas. Os resultados da medição provavelmente produzirão um feedback de treinamento positivo e contínuo.

Fonte: https://trainingindustry.com