Blog

As principais teorias de ensino no design instrucional

Teoria e prática caminham juntas. Isso se aplica não apenas ao Design Instrucional, mas a qualquer outra área ou disciplina. A teoria, além de não prejudicar a prática, a ajuda a melhorar a qualidade de seus materiais de e-Learning por meio de uma rede virtual ou da Internet. Embora a teoria do aprendizado não resolva todos os seus problemas de design, ela fornece clareza em todo o processo e o orienta na busca de soluções.

As 3 técnicas de ensino mais utilizáveis ​​de design instrucional.

Das inúmeras teorias de e-Learning que impactam a prática, 3 são utilizadas por especialistas de forma consistente. E todos ficam intrigados com “como” os alunos aprendem. Ao verificar cada uma delas, você pode compreender o que funciona admiravelmente no aprendizado. Você pode, obviamente, juntar-se a essas especulações, baseando-se em seus objetivos como arquiteto do aprendizado, nos objetivos de negócios de sua associação ou associação de clientes, nas necessidades dos alunos e no objeto de estudo.

1. Behaviorismo

Essa teoria se concentra no comportamento humano observável e mensurável que se repete até se tornar automático. Também trata de como o ambiente externo de uma pessoa molda seu comportamento.

Visto que a teoria está interessada apenas na observação quantitativa de respostas a estímulos, ela ignora completamente a possibilidade de processos de pensamento na mente de um aluno. São apenas arranjos de “o que” os substitutos precisam saber, o que esclarece a utilização de estratégias pelos behavioristas, como prova de distinção, lembrança de repetição (retenção) e afiliação.

A formação de habilidades usa a mesma abordagem comportamental quando observamos e praticamos uma habilidade particular . A missão do substituto é lembrar a habilidade e reagir enquanto o educador faz críticas (demonstra se a resposta apropriada está correta ou errada) e aplicar a prática.

O Behaviorismo pode ser aplicado a um plano de instrução quando você pretende:

  • Gerar resultados de aprendizagem quantificáveis ​​e perceptíveis entre os alunos substitutos.
  • Usar recompensas materiais e feedback informativo para melhorar o desempenho do aluno.
  • Ajudar os alunos substitutos a adquirir um conjunto de habilidades ou práticas não surpreendentes.

2. Cognitivismo

Como o behaviorismo, o cognitivismo nota novos exemplos de conduta. No entanto, o cognitivismo gira em torno do que o behaviorismo negligencia: a maneira de pensar por trás da conduta.

Ao observar mudanças no comportamento, os proponentes dessa teoria usam essas mudanças como indicadores do que está acontecendo na mente das pessoas.

Desse modo, ganhar de uma perspectiva psicológica é, de certa forma, uma interação mental interna e dinâmica. E, ao contrário do behaviorismo, o cognitivismo se concentra em como aprender. Enquanto o behaviorismo faz com que a pessoa perceba a situação atual do aluno, o cognitivismo oferece uma metodologia focada no aluno. Ela utiliza aparatos e inovações que copiam o ponto de vista humano e até mesmo aborda ciclos mais complexos, por exemplo, pensamento crítico, pensamento, preparação de dados e desenvolvimento de ideias.

Isso não significa que o cognitivismo seja superior ao comportamentalismo. Novamente, a teoria correta dependerá dos fatores listados anteriormente.

Se você decidir aplicar uma abordagem cognitiva ao desenvolvimento de seu material, certifique-se de:

  • Identificar os fatores nas características dos alunos que podem contribuir ou dificultar o processo cognitivo de recebimento de informações.
  • Considerar e investigar quais tarefas são apropriadas para a preparação de dados proficiente e convincente.
  • Aplicar uma variedade de técnicas de aprendizagem que permitem aos alunos associar novos dados a informações anteriores.

3. Construtivismo

Essa hipótese expressa o que vemos em uma imagem específica dependente de nossas vivências individuais, construções mentais e convicções. Como o cognitivismo, ele coloca o aluno no ponto focal do clima de aprendizagem. O aluno não apenas assimila passivamente a informação, mas participa ativamente da construção individual do conhecimento. Isso significa que o conhecimento não pode simplesmente ser passado de um aluno para outro.

De uma perspectiva construtivista, o substituto controla sua própria aprendizagem. É por isso que é importante disponibilizar as informações de várias maneiras para que os alunos possam revisitar o conteúdo a qualquer momento e manipular as informações com base em seus objetivos.

O que vem depois?

Agora que você já pode reconhecer as três principais teorias de um plano de instrução, como você escolherá qual delas utilizar? Embora não haja uma fórmula única para escolher a teoria mais apropriada, os especialistas geralmente comparam as teorias de aprendizagem com o conteúdo de aprendizagem.

Por exemplo, a abordagem comportamental é muito mais eficaz quando ajuda os alunos a dominar o conteúdo de sua profissão e traz pouco ou nenhum conhecimento prévio para o ensino. Então, novamente, a metodologia intelectual pode ajudar os alunos substitutos a lidar com questões em novas circunstâncias, já que essa hipótese é, na maior parte, vista como mais adequada para esclarecer tipos complexos de pegar o jeito do pensamento crítico e assim por diante.

No que diz respeito à abordagem construtivista, os especialistas a utilizam de forma adequada ao lidar com questões não bem caracterizadas que exigem vivência na vida real.

 

Fonte: https://elearningindustry.com/

Share:
Translate » Traduzir