Matéria

Promova uma aprendizagem virtual mais inclusiva

Muitas vezes, em ambientes de Treinamento e Desenvolvimento, os colaboradores são tratados como cotas, em vez de colaboradores qualificados para a sua organização. Embora os educadores possam fornecer marcadores e crachás aos participantes, eles raramente aprendem seus nomes – e muito menos recorrem à sua profunda experiência durante a formação.

Tanto o conteúdo como o ambiente de aprendizagem seguem uma abordagem única, com pouca consideração pelo cargo, funções ou perspectivas dos colaboradores.

A investigação neurocientífica indica que as pessoas em ambientes de aprendizagem interativos retêm 27% do material do curso após 24 horas, em comparação com 2% do material em ambientes baseados em palestras. As palestras também desencorajam os alunos de fazer perguntas críticas em tempo real, o que pode prejudicar a compreensão e impedir que os educadores avaliem com precisão o quanto os participantes realmente entendem.

Dada a rapidez com que as pessoas esquecem as informações – 64% após nove horas, de acordo com a pesquisa de Ebbinghaus sobre o assunto – elas não parecem preparadas para aprender através de palestras. Como líderes de T&D, devemos reimaginar nosso papel como guias que ajudam os colaboradores a avançar num processo, em vez de monólogos intermináveis. Precisamos pesquisar constantemente nosso público – por meio de anotações manuais, respostas de bate-papo, emojis, etc. – em busca de sinais de confusão para que possamos esclarecer o material em tempo real. Isso também significa abraçar discussões espontâneas em classe, nas quais você pode não saber todas as respostas às perguntas feitas.

Pense fora do slide

Quando a Microsoft lançou o PowerPoint como uma ferramenta de apresentação em 1987, não havia smartphones, câmeras de laptop ou até mesmo a internet. Naquela época, a educação acontecia pessoalmente e seguia o modelo tradicional de apresentação de palco. Apesar dos grandes avanços na tecnologia (e reduções na capacidade de atenção), a fórmula para o aprendizado não evoluiu muito para refletir três décadas de mudança.

Embora o PowerPoint seja o programa padrão para sessões de T&D, ele não resulta em resultados positivos de aprendizagem: de acordo com uma pesquisa da Universidade de Harvard, as apresentações do PowerPoint reduzem a compreensão do aluno porque a maioria das pessoas não consegue ouvir e ler simultaneamente.

Embora o objetivo original do PowerPoint fosse comunicar de forma mais eficaz, é hora de pensar “fora do slide” para encontrar maneiras diferentes de envolver os alunos. Imagine se as horas que você gastava formatando pudessem ser alocadas para desenvolver melhor seu ponto principal – e melhores maneiras de articulá-lo. Ou se imagens genéricas fossem substituídas por opções gráficas que transmitissem habilmente sua mensagem aos alunos visuais.

Em vez de apenas recitar o que está na tela, devemos começar a nos conectar com alunos virtuais por meio de storytelling, brincadeiras, materiais analógicos e outros tipos de interatividade sem slides.

Ajuste sua abordagem para a neurodiversidade

De acordo com um estudo da Deloitte de 2022, estima-se que 15-20% da população mundial seja neurodiversa. Para essas pessoas, desenvolver habilidades de liderança que irão avançar em suas carreiras enfrenta barreiras como problemas de mobilidade, dificuldades de aprendizagem e deficiências auditivas ou visuais.

Seus ajustes podem começar com o uso de fontes amigáveis para disléxicos, como Arial ou Verdana, para visuais na tela, e comunicar com antecedência aos alunos que eles têm a opção de ligar ou desligar suas câmeras. Outras práticas recomendadas incluem oferecer um intérprete de Língua de Sinais; utilizar o recurso de transcrição ao vivo do Zoom para legendas em tempo real; e conduzir pré-chamadas mediante solicitação com os alunos para reduzir a ansiedade social.

Quando a inclusão é bem apoiada, você verá alunos de todas as capacidades e preferências de aprendizagem interagindo com uma variedade de ferramentas e tecnologias. E num ambiente virtual, todos podem beneficiar do design inclusivo. Por exemplo, táticas que apoiam alunos não-verbais – como sinais manuais ou emojis – também podem aumentar o engajamento de colaboradores tímidos. Da mesma forma, a legendagem ao vivo que beneficia colaboradores com deficiência auditiva também aumenta a compreensão dos colaboradores visuais.

Para aproveitar os benefícios da aprendizagem virtual inclusiva, a nossa comunidade de T&D deve evoluir além da dependência de apresentações de slides para uma experiência que envolva aprendizagem entre pares, interatividade e melhorias visuais. Da mesma forma, o foco de nossas sessões de aprendizagem precisa mudar do conteúdo – que qualquer pessoa pode encontrar online – e passar a criar uma experiência imersiva em torno do conteúdo.

Quando abraçamos a evolução do T&D, alcançaremos o Santo Graal dos resultados de aprendizagem inclusivos: engajamento, participação e retenção de longo prazo.

Fonte: https://trainingindustry.com/

Curta e siga:
Share:
Verified by ExactMetrics