Blog

Dashboard de treinamento: uma ferramenta poderosa para o T&D

Os dados agora estão no centro de tudo o que fazemos. Se usados com cautela, eles podem fornecer percepções importantes sobre como planejar o futuro, conduzir projetos, posicionar sua empresa e avaliar seu desempenho com uma precisão cada vez maior. Os dados abrem um mundo de novas oportunidades. Mas, cuidado – lidar com grandes quantidades de dados pode ser uma tarefa complexa.

Os dados são extremamente valiosos para o treinamento. As equipes de T&D monitoram os dados e obtêm indicadores de desempenho diretamente deles. Mas, além disso, o que devemos analisar? E como? Como podemos selecionar e classificar as fontes corretas de dados para criar dashboards de treinamento úteis?

Neste artigo, Nelly Jarousseau, especialista e analista de Client Success da CrossKnowledge, compartilha suas principais dicas e insights sobre o assunto. Continue acompanhando a leitura!

Escolha seus dados comparativos com cuidado

Quando se trata de treinamento, comparar-se com outras empresas pode ser prejudicial. Você não precisa estar em primeiro lugar. Você precisa estar no lugar certo para sua empresa. Os painéis ajudam a identificar o quanto os seus alunos entendem quais treinamentos estão disponíveis, o quanto eles sabem sobre eles e o que pensam sobre eles.

De acordo com Nelly Jarousseau, você deve definir seus critérios de análise da seguinte maneira:

“Ao olhar para várias empresas, escolha seus filtros com cuidado. Só porque você pode comparar absolutamente tudo, não significa que você deva. Mas há uma coisa que você deve fazer: ser claro sobre quem, o quê e como.”

Quem? [Filtros]

Organizações semelhantes em termos de:

  • Tamanho da empresa
  • O negócio
  • Experiência digital
  • Footprint internacional
  • Cultura de aprendizagem
  • Especialização
  • Conjunto de competências
  • Idade média dos colaboradores

O que?

  • Dados quantitativos (por exemplo, taxa de conclusão)
  • Dados qualitativos (por exemplo, taxa de satisfação)
  • Dados financeiros (por exemplo, custos por hora, impacto na produção)
  • Formatos (por exemplo, blended learning)

Dica do especialista: use pelo menos três filtros diferentes para ter uma visualização tridimensional personalizada do seu negócio.

Este tipo de gráfico, desenvolvido por e para a CrossKnowledge, compara uma empresa (A) com seus concorrentes. A empresa (A) tem um custo de treinamento por hora bastante alto, uma baixa taxa de retenção de alunos, um nível médio de satisfação do aluno e um nível de atividade relativamente baixo. Você pode usar este estudo comparativo inicial para avaliar sua empresa (ou departamento) em relação a outros.

Lembre-se: observe cuidadosamente o contexto!

Agora que você tem uma visão macro, pense na sua posição ideal. Onde no gráfico você gostaria de estar? Que mudanças você deseja fazer na sua empresa? Com base em suas análises e experiência, você pode traçar como você pode chegar lá e esboçar um plano de ação para ir do ponto A ao ponto B.

A empresa descrita acima implementou um plano de ação de dois anos (incluindo uma análise a cada seis meses) com base em quatro metas:

  • Melhorar a satisfação do aluno (a cor muda de laranja para verde)
  • Aumentar o número de alunos ativos (o tamanho do balão aumenta)
  • Aumentar a retenção do aluno (o balão se move para a direita)
  • Diminuir o custo médio por hora de treinamento (o balão desce no eixo y)

Nelly Jarousseau, mencionou traçar cenários hipotéticos para ajudar a esboçar um plano de ação. Prossiga com cuidado, porque interpretar dados incorretamente pode levar você a um beco sem saída. Para permanecer no caminho certo, você deve considerar 4 áreas principais:

1. Acessibilidade (tanto em termos de conteúdo quanto de tecnologia)

O treinamento oferecido é acessível a um determinado grupo?

  • Considere melhorias técnicas ou funcionais.
    Por exemplo: links SSO.

2. Visibilidade

Os membros da sua equipe foram totalmente informados sobre a plataforma de treinamento?

  • Otimize sua plataforma ergonomicamente e se comunique internamente, principalmente com os gestores.
    Por exemplo: página inicial, integração com seus sistemas e intranet.

3. Motivação

Os alunos estão motivados e interessados ​​o suficiente para concluir o curso?

  • Tornar o sistema de treinamento atraente usando técnicas de marketing do aluno (ex.: fazer com que os líderes da empresa defendam o projeto).
    Por exemplo: relevância cultural, link para um evento.

4. Recomendações

Até que ponto seus alunos recomendam conteúdo e trilhas de aprendizagem para seus colegas? Eles acham que o treinamento foi útil?

  • Preste atenção especial à qualidade e especialização do ensino.
    Por exemplo: índice de satisfação, taxa de lealdade.
  • Confirme coletando feedbacks.
    Por exemplo: “pesquisas de fim de curso”, questionários no local.

Seu plano deve abranger todas as maneiras pelas quais você deseja melhorar o desempenho. Trate cada meta separadamente ou enfrente-as de uma vez, caso uma afete as outras.

Por que você precisa de uma dashboard de treinamento?

Você precisa de uma dashboard de treinamento para gerenciar seu ambiente de treinamento, mas ela não terá todas as respostas sem a sua contribuição. Você deve fornecer os dados corretos, dependendo de seus desafios e objetivos, e eles analisam esses dados metodicamente. O painel o ajudará a se posicionar e a tornar seu treinamento mais impactante.

 

Fonte: https://blog.crossknowledge.com/

Share:
Translate » Traduzir